Site em português Site in English
HOME APRESENTAÇÃO CADASTRO COMPRAR VENDER CONTATO AJUDA LEILÕES LISTA RURAL BANNERS

LiveZilla Live Help

Maceió - Alagoas

Veja mais detalhes de Maceió

Município de Maceió
Maceio01.jpg
"Paraíso das águas

"Cidade Sorriso"

Brasão de Maceió
Bandeira de Maceió
Brasão Bandeira
Hino
Aniversário 9 de Dezembro
Fundação 5 de dezembro de 1815 (194 anos)
Gentílico maceioense
Lema Trabalhando Com Você
Prefeito(a) José Cícero Soares de Almeida (PP)
(2009 – 2012)
Localização
Localização de Maceió
Localização de Maceió em Alagoas
Localização de Maceió em Brasil
Maceió
Localização de Maceió no Brasil
09° 39' 57" S 35° 44' 06" O09° 39' 57" S 35° 44' 06" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Maceió IBGE/2008[1]
Região metropolitana Maceió
Municípios limítrofes Barra de Santo Antônio, Paripueira, Rio Largo, Satuba, Santa Luzia do Norte, Coqueiro Seco, Marechal Deodoro e São Luís do Quitunde
Características geográficas
Área 511 km²
População 936 314 hab. est. IBGE/2009[2]
Densidade 1 832,32 hab./km²
Altitude 7 m
Clima tropical As
Fuso horário UTC-3
Indicadores
IDH 0,739 médio PNUD/2000[3]
PIB R$ 8 509 916 mil (BR: 41º) – IBGE/2007[4]
PIB per capita R$ 9 487 IBGE/2007[4]

Maceió é a capital do estado brasileiro de Alagoas. Localizada no Nordeste do país, tem uma população de 936.314 habitantes (2008)[2] e um território de, aproximadamente, 511 km². Integra, com outros dez municípios, a Região Metropolitana de Maceió, somando um total de cerca de 1,1 milhão de habitantes[5] (IBGE/2007). Sua altitude média é de sete metros acima do nível do mar, e tem uma temperatura média de 25°C. O município situa-se entre o oceano Atlântico, que o presenteia com as mais belas praias urbanas do Brasil e a lagoa Mundaú, que tem grande importância econômica para os povoados de pescadores que vivem em sua margem. É sede da Universidade Federal de Alagoas.

Índice

Etimologia

O nome Maceió veio do tupi Maçayó ou Maçaió-k que significava "O que tapa o alagadiço".[6]

História

Período colonial

No início da colonização, no século XVII, navios portugueses atracavam em Jaraguá, local em que eram carregadas as madeiras das florestas litorâneas. Este Porto também serviu, mais tarde, para o embarque do açúcar produzido pelos engenhos localizados nas proximidades da cidade.

Antes de sua fundação,morava onde hoje é o bairro de Pajuçara Manoel Antônio Duro que recebeu em 1609 uma sesmaria de Diogo Soares,alcaide-mor de Santa Maria Madalena.

Mais tarde em 1673 as terras foram mudadas de dono,o rei de Portugal determinou ao Visconde de Barbacena a construção de um forte no bairro de Jaraguá.

O pequeno povoado havia uma pequena capela em homenagem a Nossa Senhora dos Prazeres.[1]

A vila de Maceió foi desmembrada em 5 de dezembro de 1815, da Vila de Santa Maria Madalena da Alagoa do Sul, ou simplesmente Vila de Alagoas, atual cidade de Marechal Deodoro. Em 9 de dezembro de 1839 deu-se a elevação à condição de cidade, principalmente por causa do desenvolvimento advindo da operação do porto de Jaraguá, um porto natural que facilitava o atracamento de embarcações, por onde eram exportados açúcar, tabaco, coco e especiarias. Em 16 de dezembro de 1839, é inaugurado o município de Maceió, tendo seu primeiro intendente Augustinho da Silva Neves.

Após a vila ser agraciada com o simbólico ato de transferência do baú do Tesouro da Província, cuja iniciativa partiu do ouvidor Batalha, dado o contínuo processo de desenvolvimento do local, Maceió veio a se tornar a capital da Província das Alagoas, especificamente em 9 de dezembro de 1839, mediante a edição da Resolução Legislativa nº 11:

"Agostinho da Silva Neves, presidente da Província das Alagoas:

Faço saber a todos os seus habitantes que a Assembleia Provincial Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte resolução:

Art. único: - Fica erecta em cidade e capital da Província a Vila de Maceió, que será dora em diante a Sede do Governo, Assembleia e tesouraria Provincial, ficando o mesmo governo autorizado a despender a quantia necessária com o aluguel dos edifícios para as ditas repartições.

Ficam revogadas todas as leis e disposições em contrário. Mando, portanto, a todas as autoridades e quem o conhecimento e execução da referida resolução pertencer, que a cumpram, e façam cumprir, tão inteiramente como nela se contém.

O secretário desta Província faça imprimir, publicar e correr.

Palácio do Governo das Alagoas, 9 de dezembro de 1839. 18º da Independência e do Império.

Agostinho da Silva Neves - Presidente."

Observação: O baú da província das Alagoas encontra-se no Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, no centro de Maceió.

Com a emancipação política de Alagoas,o novo governador da capitania Sebastião de Melo e Póvoas iniciou a transferência da capital para a cidade de Maceió,mas ouve resistência dos homens da câmara e homens públicos.No dia 16 de dezembro de 1839 expedições militares dos estados de Pernambuco e Bahia foram para Maceió para garantir a ordem e para a transferência do governo para a cidade.[2]

Período imperial

Maceió foi visitada em 1859 pelo Imperador Dom Pedro II, que, inclusive, participou de festas na capital antes de seguir viagem para outras cidades.

Dom Francisco Afonso Meneses Sousa Coutinho
Armas do marquês de Maceió, as mesmas das famílias Sousa Chichorro e Coutinho.

Primeiro e único visconde e marquês de Maceió (Turim, 2 de fevereiro de 1796 – Paris, 14 de agosto de 1834), foi um militar da marinha de Portugal que, aderindo à independência do Brasil, fora promovido a capitão de fragata. Alcançou a patente de tenente-coronel, passando a ministro da pasta da Marinha, em 1827.

Filho de D. Rodrigo Domingos de Sousa Coutinho, 1.° conde de Linhares, e de Gabriella Maria Ignazia Asinari dei Marchesi di San Marzano. Irmão de D. Vitório Maria Francisco de Sousa Coutinho Teixeira de Andrade Barbosa, 2.º conde de Linhares. Casou-se com Guilhermina Adelaide Carneiro Leão, filha de José Fernando Carneiro Leão, barão de Vila Nova de São José. Não houve descendência.

Grande do Império, exercia a função de veador na corte imperial. Era cavaleiro da Imperial Ordem do Cruzeiro e da Ordem da Torre e Espada, e comendador da Imperial Ordem de Cristo. Recebeu o viscondado com grandeza por decreto de 12 de outubro de 1824 e o marquesado por decreto de 12 de outubro de 1826.

Maceió de 1950

Na praia de Ponta Verde existiu um dos pontos turísticos mais cantados, versados e contados de Maceió, o Gogó da Ema, um coqueiro que nasceu torto à beira-mar e tinha a forma do pescoço de uma ema, derrubado pelo avanço do mar na década de 1960. Era o local dos encontros entre namorados nas décadas de 1950 e 1960. De lá se observa, quando da lua cheia, um espetáculo visual dos mais encantadores. Hoje no local existe um clube, o Alagoas Iate Clube, ponto de divisão entre as praias da Ponta Verde e dos Sete Coqueiros.

Geografia

Por centenas de anos formaram-se terrenos alagados, devido ao acúmulo de sedimentos oriundos dos rios Mundaú e Paraíba do Meio. O mar também contribuiu com sedimentos, fechando as fozes dos respectivos rios, formando assim o que hoje conhecemos por Lagoas Mundaú e Manguaba, um dos maiores complexos estuarinos do Brasil.

Foi sobre esses alagadiços e restingas que a cidade de Maceió cresceu. Dois bairros da capital abrigam pouco menos da metade da população, são eles: Benedito Bentes e Jacintinho, ambos com 200 mil habitantes cada. O Jacintinho é um bairro próximo ao centro da cidade, cercado por grotas e, apesar de ser vizinho da área mais valorizada da cidade, possui habitantes com baixa renda em sua maior parte. Já o Benedito Bentes é um conjunto habitacional criado há mais de vinte anos que, atualmente, abriga muitos outros conjuntos ao seu redor, que juntos às favelas e grotas formam o bairro. Já tramitou na Câmara Municipal de Maceió uma proposta para o desmembramento do Benedito Bentes de Maceió, transformando-o em uma nova cidade, porém, sem sucesso. Maceió possui sete Regiões Administrativas.

Situa-se na faixa costeira do Nordeste oriental, inserida nos domínios da Mata Atlântica. Estende-se por uma área de aproximadamente 500 km², dos quais 212 km² compõem sua área urbana.

Sua altimetria varia entre 0 metro ao nível do mar e 20 metros na planície litorânea, passando entre 20 e 180 metros nas encostas e nos topos dos tabuleiros e 300 metros no topo da serra da Saudinha, extremo norte do município.

Localização

Localizada na parte central da faixa litorânea do estado de Alagoas, inserida na mesorregião do Leste Alagoano e microrregião que leva seu nome, o município de Maceió estende-se entre os paralelos 09°21’31” e 09°42’49” de latitude sul e os meridianos 35°33’56” e 35°38’36” de longitude oeste, ocupando uma área de aproximadamente 511 km², o que corresponde a 1,76% do território alagoano.

Capital do estado de Alagoas, Maceió limita-se: ao norte com os municípios de Paripueira, Barra de Santo Antônio, São Luís do Quitunde, Flexeiras e Messias; ao sul, com o município de Marechal Deodoro e Oceano Atlântico; a oeste faz fronteira com Rio Largo, Satuba, Santa Luzia do Norte e Coqueiro Seco; a leste, com o Oceano Atlântico.

Norte: Paripueira, Barra de Santo Antônio, São Luís do Quitunde, Flexeiras e Messias
Oeste: Rio Largo, Satuba, Santa Luzia do Norte e Coqueiro Seco Maceió Leste: Oceano Atlântico
Sul: Marechal Deodoro e Oceano Atlântico

Clima

Praia.
Pajuçara.
Gráfico climático para Maceió
J F M A M J J A S O N D
 
 
38
 
31
23
 
 
47
 
31
23
 
 
66
 
31
24
 
 
128
 
30
23
 
 
167
 
29
22
 
 
210
 
28
22
 
 
211
 
27
21
 
 
131
 
27
20
 
 
81
 
28
21
 
 
38
 
31
21
 
 
34
 
30
22
 
 
28
 
31
23
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: MSN Weather

Considerando a localização na Região Nordeste do Brasil, em plena zona tropical e banhada pelo Oceano Atlântico, apresenta clima quente e úmido, que segundo a classificação climática de Köppen corresponde ao tipo As', caracterizando por apresentar-se sem grandes diferenciações térmicas e precipitação concentrada no outono e inverno. As temperaturas médias mensais oscilam em torno de 25,1°C. A máxima mensal atinge 29,9°C e a mínima 20,8°C, apresentando uma amplitude térmica anual de 9°C. A umidade relativa do ar é em média de 79,2%, sendo julho o mês mais úmido e novembro o mais seco. O índice pluviométrico é sempre superior a 1.410mm/ano.

Maceió tem, segundo pesquisas, a segunda melhor água potável do Brasil, possui clima tropical, a menor temperatura registrada na capital foi 11,3°C, no dia 16 de junho de 1980, tendo dias ensolarados durante 270 dias do ano.

Vegetação

Maceió apresenta vegetação herbácea (gramíneas) e arbustiva (poucas árvores e espaçadas). Além destas, Maceió possui também a Mata Atlântica. Essas vegetações estão associadas a um sistema regulado de chuvas.

A vegetação natural encontra-se bastante degradada em algumas áreas isoladas dos tabuleiros costeiros e principalmente nas encostas. Ocorrem remanescentes de floresta ombrófila secundária (mata atlântica) e descaracterizada (macega-capoeira). No baixo curso dos rios ocorrem formações pioneiras aluviais e na sua foz, a influência da maré alta dá origem a formações fluviomarinhas (mangues).

A cidade possui um parque municipal de 80 hectares, localizado entre os bairros de Bebedouro e Tabuleiro do Martins. Na área encontram-se plantas típicas da Mata Atlântica e nascentes de várias correntes de água. É aberto à visitação ao público.

Relevo

O relevo do município de Maceió apresenta um predomínio de terras baixas com altitudes inferiores a 100 metros, ocorrendo, no entanto na porção norte-noroeste áreas que alcançam mais de 160 metros. A Serra da Saudinha alcança 300 metros.

Estruturalmente são encontradas três unidades: a Planície ou Baixada Litorânea, os Tabuleiros Costeiros e o Maciço Cristalino da Saudinha.

A Planície Litorânea compreende a área de menor expressão espacial e de menor altitude, 0 a 10 metros. De origem recente (quaternária), nela predominam as formas de acumulação marinha, fluvial, fluviomarinha, fluviolacustre e eólica, representadas por terraços, pontas arenosas, restingas, cordões litorâneos, ilhas fluviomarinhas, recifes e lagunas.

Os Tabuleiros Costeiros são uma superfície de agradação composta basicamente por terrenos plio-pleistocênicos, também conhecidos como baixo planalto sedimentar costeiro. Apresenta relevo tipicamente plano com suaves ondulações e altitudes em geral inferiores a 100 metros.

Na faixa costeira, o trabalho de abrasão marinha (antes do presente), estabelecia contato direto do oceano sobre as encostas do tabuleiro deram origem às falésias fósseis, separadas atualmente do oceano por depósitos quaternários.

São cortados transversalmente por rios que correm em cursos paralelos, separados por interflúvios tabuliformes (dissecados e aplanados), formando vales e encostas fluviais, várzeas e lagunas. Destacam-se o Prataji e seus afluentes Messias ou Prata (integrante do Sistema Pratagy); Meirim e seu afluente, o Saúde; o Estiva e o Sauaçuí (divisa com Paripueira); além dos riachos: Carrapatinho, do Silva (que já abasteceu Maceió até a década de 50), Reginaldo, Jacarecica, Garça Torta, Doce. Nos baixos cursos dos rios a ação das marés dão origem a manguezais que ocorrem ao longo de todo litoral, principalmente na ilha do Lisboa e na foz dos rios Prataji, Meirim, Estiva e Sauaçuí.

No extremo norte-noroeste do município, cercado pelos Tabuleiros Costeiros, ocorre uma área de rochas cristalina (serra da Saudinha), formada por um esporão granítico, profundamente dissecados em encostas com níveis entre 160 e 300 metros, que corresponde a borda residual da porção meridional do Planalto da Borborema comandada pela referida serra, uma rede hidrográfica divergente drena suas águas diretamente para o Oceano Atlântico.

Hidrografia

Os cursos d'água, que drenam o município, apresentam-se perenes com direcionamento consequente de extensão aproximada de 12Km.[7] Suas principais cabeceiras localizam-se na serra da Saudinha (rios Meirim, Saúde e Prataji) nos tabuleiros (riachos Reginaldo, Jacarecica, Doce e o rio Sauaçuí), alguns próximos à área urbana do município, nas proximidades dos conjuntos residenciais: Henrique Equelman, Moacir Andrade e do Parque Residencial Benedito Bentes I e II.

As bacias hidrográficas destes rios apresentam na sua maioria um padrão de drenagem dendrítico, tendendo a paralelo em escoamento, exorreico; formando canais distribuídos de 1ª, 2ª, 3ª e 4ª ordens, cada uma recebe dos tributários de ordens inferiores. Quanto à forma de seus vales, no alto curso é marcado por vale em "V" agargantado. No médio curso assemelha se ao anterior, mas com fundo chato e margens um pouco afastadas e altas dos tabuleiros que os rodeiam. O baixo curso apresenta se na forma de uma baixada larga típica de "rias", com vale em calha, leito raso, entulhado e de foz flutuante pelas vagas que movimentam os bancos arenosos. Os riachos são paralelos, com regime de enxurradas de outono, inverno ou por chuvas ocasionais de primavera e originam se em uma estrutura monoclinal, entalhada, por ocasião dos movimentos eustáticos negativos que os levaram a tangenciar o nível do mar[8]

Política municipal

Lista de prefeitos de Maceió

Nome Partido Início do mandato Fim do mandato
1 Jaime de Altavila 1927 1928
2 Divaldo Suruagy 1965 1970
3 Fernando Collor de Mello 1979 1982
4 Guilherme Palmeira 1989 1990
5 Ronaldo Lessa PSB 1 de janeiro de 1993 31 de dezembro de 1996
6 Kátia Born PSB 1 de janeiro de 1997 31 de dezembro de 2004
7 Cícero Almeida PDT¹ 1 de janeiro de 2005 31 de dezembro de 2008
Cícero Almeida PP 1 de janeiro de 2009 31 de dezembro de 2012

Relações internacionais

Cidades-irmãs/amigas de Maceió:

  • Itália Milão, Itália
  • Coreia do Sul Gwangju, Coreia do Sul

Em 13 de maio de 2009, as cidades de Maceió e Gwangju, na Coreia do Sul assinaram o "Tratado de Cidades Amigas", visando a troca de conhecimento técnico nas áreas de esporte, turismo, educação, cultura, artes e gastronomia.[9] O secretário-adjunto da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, Luciano Cabral,foi homenagiado como, Cidadão Honorário da cidade de Gwangju, na Coreia do Sul.

O prefeito de Gwangju, Park Kuang fará uma doação de modulos esportivos para o povo de Maceió.

  • [3]

Subdivisões

Existem 50 bairros em Maceió, definidos pela Lei municipal 4.952, de 2000:

  • Antares
  • Barro Duro
  • Bebedouro
  • Benedito Bentes
  • Bom Parto
  • Canaã
  • Centro
  • Chã de Bebedouro
  • Chã da Jaqueira
  • Cidade Universitária
  • Clima Bom
  • Cruz das Almas
  • Farol
  • Feitosa
  • Fernão Velho
  • Garça Torta
  • Gruta de Lourdes
  • Guaxuma
  • Ipioca
  • Jacarecica
  • Jacintinho
  • Jaraguá
  • Jardim Petrópolis
  • Jatiúca
  • Levada
  • Mangabeiras
  • Mutange
  • Ouro Preto
  • Pajuçara
  • Pescaria
  • Petrópolis
  • Pinheiro
  • Pitanguinha
  • Poço
  • Ponta da Terra
  • Ponta Grossa
  • Ponta Verde
  • Pontal da Barra
  • Prado
  • Riacho Doce
  • Rio Novo
  • Santa Amélia
  • Santa Lúcia
  • Santo Amaro
  • Santos Dumont
  • São Jorge
  • Serraria
  • Tabuleiro do Martins
  • Trapiche da Barra
  • Vergel do Lago

Economia

O município é rico em sal-gema e tem um setor industrial diversificado (indústrias químicas, açucareiras e de álcool, de cimento e alimentícias), além da agricultura, pecuária e extração de gás natural e petróleo.

Municípios próximos a Maceió, como Marechal Deodoro, Pilar e São Miguel dos Campos também têm economias parecidas, mais na parte de mineração – Gás Natural e petróleo. Alagoas é um dos maiores produtores de gás natural do Brasil.

Em 2004, o PIB da capital girava em torno de 6,7 bilhões de reais, à época o quinto maior entre as capitais da Região Nordeste, número significativo que mereceu destaque por ter vindo antes do "boom" do comércio e turismo em Maceió, que ocorreu com a abertura de diversos hipermercados, hotéis, de um centro de convenções e do novo Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares. A expectativa é de que os próximos números sejam ainda mais animadores. Em 2009, o índice de potencial de consumo da capital alagoana (0,49817) apresenta a quinta posição entre as cidades nordestinas e a vigésima posição entre todos os municípios brasileiros (fonte: Target consultoria).

Setor primário

Mesmo sendo bastante urbanizada, o município possui muitas áreas desocupadas, principalmente na Zona Norte, surgindo espaço para a criação de grandes canaviais, como o que existe no bairro do Benedito Bentes.

O setor primário da economia encontra-se apoiado na monocultura da cana-de-açúcar e ocupa quase toda área rural do município. Contudo, a sua participação na produção, área colhida e economia não é considerada representativa, expressando-se em apenas 0,02% do total estadual (ALAGOAS, 2002).

No litoral principalmente, e em algumas áreas isoladas dos tabuleiros e das encostas, destaca se o coqueiro e algumas culturas de pomar como o cajueiro, a mangueira e a jaqueira.

Os dados contidos no Censo Agropecuário do IBGE 1995/1996 demonstram pouca diversificação do setor produtivo.

Com relação à utilização das terras para fins agrícolas, verifica-se um total de 17.715 hectares, onde 10.036 hectares (56,65%) são lavouras permanentes e temporárias, 590 hectares (3,33%) são pastagens naturais e artificiais, 4.303 hectares (24,29%) são matas naturais e/ou plantadas, 2.075 hectares (11,71%) são lavouras em descanso e produtivas não utilizadas e 711 hectares (4,02%) são outros (aglomerações humanas).[10]

A agricultura de subsistência também pode ser achada na Zona Norte, várias famílias pequenas desta localidade produzem o que consomem, em suas propriedades familiares.

Braskem, principal empresa do polo cloroquímico de Maceió.

Setor secundário

As indústrias instaladas no município têm pouca representatividade e influência na economia nacional. Não obstante, a capital alagoana destaca-se, no Estado, como principal centro industrial, notadamente nos setores químico, alimentício, metalúrgico e de plásticos. A cidade conta com mais de 1.280 estabelecimentos industriais (fonte: IBGE/Cidades 2006).

Maceió conta com um polo cloroquímico, que abriga a maior empresa instalada no Estado, a Braskem (exploradora e beneficiadora de sal-gema), e pelo Distrito Industrial Luiz Cavalcante, localizados, respectivamente, nos bairros do Pontal da Barra e Tabuleiro do Martins. Recentemente reformado, o Distrito Industrial Luiz Cavalcante (agora denominado Polo Multissetorial Governador Luiz Cavalcante) recebeu, nos últimos meses, melhorias estruturais importantes, como pórticos de entrada e de saída, 6 km de ruas pavimentadas, 4,5 km de linhas d'água e 3 km de ciclovia, o que fez aumentar o interesse de diversas empresas em instalar-se na localidade. Diversos estabelecimentos industriais já estão ampliando ou construindo novas unidades na área.

Setor terciário

Praia de Pajuçara, um dos pontos turísticos da cidade.
Amanhecer do sol em Maceió.

Apesar de ter sofrido graves crises no início da década de 2000, tanto pela recessão impregnada no país, como pela ausência de riquezas geradas e empregadas na capital advindas da agropecuária e de indústrias, o comércio de Maceió passa por um grande momento desde 2005. Diversos estabelecimentos vêm sendo abertos ou ampliados na cidade, como hotéis, restaurantes, hipermercados, atacadistas e shopping centers.

Como na maioria das grandes cidades brasileiras, percebe-se um crescimento significativo, nos últimos anos, em Maceió, de um “quarto setor” produtivo: o comércio informal, ainda não devidamente regulamentado.

Outro ponto forte na economia do município é o turismo, pois Maceió possui um grande potencial de atrair turistas, por suas belezas naturais e grande diversidade cultural, além de oferecer várias opções de lazer e espaços modernos para negócios, tais como o novo Centro Cultural e de Exposições de Maceió, no bairro de Jaraguá. Em setembro de 2005, foi inaugurado o Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, um dos mais modernos do Brasil. O bairro de Jaraguá foi muito frequentado durante o fim dos anos 90, com grandes investimentos da prefeitura de Maceió, hoje em dia é apenas um bairro comercial, dotado de bancos, museus e faculdades.

O Nordeste Invest é o mais importante evento de investimentos turísticos e imobiliários do Brasil,reúne os mais importantes nomes dos setores imobiliário e turístico do Brasil e da Europa e prospecta mais de mais de R$ 450 milhões em negócios.

Em 2009 Nordeste Invest aconteceu em Maceió.

Infraestrutura

Saúde

Maceió é o principal centro médico de Alagoas e um dos mais importantes da Região Nordeste do Brasil. Existem cerca de 124 estabelecimentos de saúde em Maceió, destes, 37 são públicos e 87 são privados, dos 37 públicos 9 têm internação e dos 87 privados, 29 têm internação. São, aproximadamente, 3.698 leitos, dos quais 3.117 são disponíveis ao Sistema Único de Saúde.

Educação

Comunicação

Maceió é servida pelos seguintes canais de TV Aberta: TVE AL - canal 3 (TV Brasil), TV Alagoas - canal 5 (SBT), TV Gazeta Alagoas - canal 7 (Globo), Record News - canal 9 (algumas vezes fora do ar) , TV Pajuçara - canal 11 (Record), Canção Nova - canal 13, TV Farol - canal 16 (TV Novo Tempo), TV Aparecida - canal 24, Rede Vida - canal 27, TV Massayó - canal 32 (MTV Brasil), Band - canal 38 ou 89, RIT - canal 48 e Boas Novas - canal 57 (fora do ar).

Transportes

Aeroviário

Em setembro de 2004, Maceió passou a contar com um dos mais modernos aeroportos do país , o Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, que conta com sistema de co-geração,a nacional de energia e capacidade para 1,2 milhão de pessoas. O aeroporto foi construído com recursos da Infraero, Governo Federal e Governo Estadual. Os destinos diários diretos (sem escala/conexão) saindo da capital alagoana são: Belo Horizonte (CNF), Fernando de Noronha (FEN), Recife (REC), Salvador (SSA), Aracaju (AJU), Vitória (VIX), São Paulo (GRU), Brasília (BSB), Rio de Janeiro (GIG), Campinas (VCP) e Paulo Afonso (PVA). Além disso, o aeroporto está plenamente habilitado para operar vôos internacionais, o que acontece com maior frequência na temporada de verão. Em 2009, apresentou movimento de mais de 1 milhão passageiros, dos quais mais de 22.000 provenientes de vôos internacionais vindo da Itália, Argentina, Chile, Alemanha, Portugal, Estados Unidos, Inglaterra,japão, França entre outros países.[11]

Destinos domésticos

Companhias Destinos
Brasil AZUL Campinas
Brasil GOL Aracaju, Brasília, Rio de Janeiro (Galeão), Recife, Salvador e São Paulo (Congonhas e Guarulhos).
Brasil TAM Aracaju, Brasília, Rio de Janeiro (Galeão), Salvador e São Paulo (Guarulhos).
Brasil TRIP Rio de Janeiro (Santos Dummont), Belo Horizonte (Confins) , Recife , Fernando de Noronha e Vitória
Brasil Passaredo Ribeirão Preto
Brasil Webjet Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo

Destinos internacionais regulares

companhias Destinos
Itália Air Italy Milão (Malpensa) e Roma (Fiumicino).
Itália Livingston Milão (Malpensa)

Destinos internacionais sazonais charters

Companhias Destinos
Itália Livingston Milão (Malpensa)
Argentina Andes Buenos Aires
Chile Principal Santiago

Ferroviário

A linha é antiga, assim como os vagões. A passagem, comparada com a de ônibus, é barata e liga o centro de Maceió até Rio Largo, passando pelos bairros históricos de Bebedouro e de Fernão Velho, bem como pelo município de Satuba. Diariamente, o sistema de trens metropolitanos da capital alagoana transporta cerca de 11 mil passageiros (fonte: CBTU). Há, atualmente, um projeto do governo federal para transformar o sistema de trens da Região Metropolitana de Maceió em veículos leves sobre trilhos - VLT (ou metrô leve).

O transporte ferroviário de cargas entre Maceió e municípios do interior de Alagoas, interrompido há alguns anos em decorrência de fortes chuvas, está previsto para ser reativado nos próximos meses, com a conclusão da reforma do sistema, ora em curso. Dessa forma, o Estado volta a interligar-se, por via férrea, a outros Estados nordestinos.

Hidroviário

Navio dinamarquês NDCC Garcia D'Avila (G-29), atracando no Porto de Jaraguá.

O Porto de Jaraguá, ou Porto de Maceió, está localizado no bairro de Jaraguá, entre as praias de Pajuçara e Avenida. É administrado pela Companhia Docas do Rio Grande do Norte - CODERN por meio da Administração do Porto de Maceió (ADPM) e tem o maior terminal açucareiro do mundo, além de ser um dos mais movimentados do Nordeste. O porto conta com um arado capaz de operar navios das frotas mais modernas do mundo, do tipo pós-panamax, com cerca de 200 metros de comprimento. Em 2006, o movimento acumulado foi de mais de 3,6 milhões de toneladas.[12]

Rodoviário

A Região Metropolitana de Maceió é cortada por algumas das principais rodovias federais, como as BR-101, BR-316 e BR-104, além de ser ponto de convergência de rodovias estaduais, destaque para a AL-101 Sul (em duplicação até o município de Barra de São Miguel) e AL-101 Norte. São poucas as rodovias estaduais bem-sinalizadas; as mais bem conservadas e sinalizadas estão no litoral. O município também conta com uma rodoviária interestadual, considerada confortável. Diariamente, ônibus saem em direção a vários pontos do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Recife.

As avenidas principais da cidade são, em grande parte, bem conservadas, embora uma grande parte da cidade sofra com ruas não-pavimentadas e/ou repletas de buracos, especialmente na periferia e em áreas próximas a grotas e favelas. Como Maceió é cercado por planaltos, uma solução prática para problemas comuns do trânsito foi a construção de várias passagens de nível, tática que, utilizada no passado, está em destaque também na gestão atual.

Desde 2004, todos os "pardais" (câmeras fotográficas que capturam violações de trânsito) e radares eletrônicos que existiam na cidade foram retirados, segundo o prefeito, para acabar com a "indústria de multas".

A distância rodoviária entre Maceió e a capital federal é de 2.013 km.

  • Frota de Veículos: 174.735 (automóveis, caminhões, ônibus…) Fonte: DENATRAN, maio de 2009.

Transporte coletivo urbano

Maceió conta com cerca de 730 ônibus (2009) e hoje já existem alguns carros dotados de ar-condicionado, carros articulados e carros com circuladores de ar. Apesar disso, grande parte dos usuários queixa-se da falta de melhores condições dos ônibus em circulação na capital. As empresas de ônibus permissionárias em Maceió são: Real Alagoas, Piedade, Cidade de Maceió, Massayó, São Francisco, Veleiro e Tropical.

Existe um sistema semi-integrado de transporte, constituído por três Terminais de Integração: um localizado no bairro Benedito Bentes, o outro no Conjunto Residencial Colina dos Eucaliptos no bairro do Tabuleiro do Martins e o último no bairro da Rotary. Na prática, a maioria das pessoas que moram longe do trabalho acaba por pagar duas ou mais passagens.

O valor da passagem é alto, R$2,10 (dois reais e dez centavos), chegando ao mesmo valor da tarifa no município de Curitiba, que tem um dos melhores sistemas de transporte urbano da América do Sul.

Apesar de só existirem três ciclovias na cidade, uma na beira-mar, outra no polo multissetorial e outra na orla lagunar, a maioria dos moradores da periferia se dirige ao trabalho por meio de bicicletas, andando junto aos carros em vias arteriais como a avenida Fernandes Lima e a Via Expressa. São registrados vários acidentes diários com ciclistas, alguns fatais. A questão da ciclovia também é tratada no plano diretor, que prevê a construção de várias delas entre as principais avenidas da cidade.

Outro problema do transporte urbano em Maceió são os táxis-lotação, que não pagam impostos e concorrem diretamente com as empresas de ônibus, cobram o mesmo preço e aceitam vale-transporte. A atividade é ilegal, mas ainda assim é bastante praticada e aceita pela maioria da população, principalmente pela rapidez no deslocamento comparado ao ônibus.

Não é difícil encontrar táxis na cidade (há cerca de 3000 táxis habilitados), mas a tarifa é uma das mais caras do Brasil. Ao entrar no táxi já se paga três reais, e a maioria da frota é associada a empresas que, na sua maioria, atendem ao cliente via telefone. A maioria dos táxis da cidade está em condição boa ou ótima, devido às facilidades para compra de veículos novos, por parte das vendedoras de automóveis. Linhas especiais de táxi servem o Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares.

Dados

Domicilios

Ano Urbano Rural Taxa de Urbanização
1991 583.703 45.698 92,74%
2000 795.759? 1.955? 99,75%?

Renda

Ano Renda per capita Média(R$ de 2000) Pobreza Índice Gini
1991 231,8 38,4 0,62
2000 283,0? 38,8? 0,68?

Serviços básicos

Ano Água encanada Energia eletrica coleta de lixo
1991 81,3 98,4 78,1¹
2000 90,7? 99,7? 93,6¹?

Obs:¹ Dados apenas na área urbana de Maceió

Desenvolvimento Humano

Ano Educação Longevidade Renda
1991 0,743 0,636 0,682
2000 0,834? 0,667? 0,715?

Porcentagem da renda apropriada por extratos da população

Ano 20% mais pobres 40% mais pobres 60% mais pobres 80% mais pobres 20% mais ricos
1991 2,3 7,5 16,6 33,1 66,9
2000 1,4? 5,7? 13,4? 28,1? 71,9?

Vulnerabilidade Familiar

Ano % de mulheres de 10 a quatorze anos com filhos % de mulheres de 15 a dezessete anos com filhos % de crianças em famílias com renda inferior de 1 a 2 salarios mínimos % de mulheres chefes de família,sem cônjuge,com filhos menores
1991 N/D 15,7 47,4 10,5
2000 0,5? 10,5? 51,5? 6,9?

Bens de consumo

Ano Geladeira Televisão Telefone Computador
1991 77,5 78,3 21,0 N/D
2000 88,1? 92,4? 43,2? 10,0?

Educação

Ano Taxa de analfabetismo % com menos de quatro anos de estudos % com nemos de oito anos de estudos Média de anos de estudo
1991 24,3 36,1 59,9 6,0
2000 18,8? 31,3? 55,9? 6,6?

Mortalidade,natalidade e fecundidade

Ano Mortalidade até um ano de idade(1000 nascidos vivos) Esperança de vida ao nascer(Anos) Taxa de feculdidade(filhos por mulheres)
1991 52,6 63,2 2,5
2000 43,7? 65,0? 2,2?

Dados:IBGE

Demografia

Maceió possui uma população de 936.314 habitantes, segundo a estimativa realizada pelo IBGE em 2009,[2] o que resulta numa densidade demográfica de 1.832,31 habitantes/km². 99,7% da população situa-se na chamada zona urbana do município e apenas 0,3% na área rural. Em julho de 2009, possuía 507.598 eleitores.[13]

Ano Habitantes Crescimento comparado com o outro ano
1872 27.703
1890 31.498 3.795
1900 36.427 4.929
1920 74.166 37.739
1940 90.253 16.087
1950 120.980 30.727
1960 168.055 47.075
1970 263.670 95.615
1980 399.298 135.628
1991 628.209 228.911
1996 723.142 94.933
2000 796.842 73.700
2007 874.014 77.172
2008 924.143 50.129
2009 936.314 12.171
[14]

Quantidade da população na categoria de idade de 0 a 99 anos

População estimada em 2007

Comparação entre homens e mulheres

Homens Categoria Mulheres
41.615G50.pngG10.pngG10.pngG05.pngG01.png 0 - quatro anos R50.pngR10.pngR10.pngR03.pngR01.png40.260
39.826G50.pngG10.pngG05.pngG03.pngG01.png 5 - 9 R50.pngR10.pngR05.pngR03.pngR01.png38.526
39.808G50.pngG10.pngG05.pngG03.pngG01.png 10 - 14 R50.pngR10.pngR10.pngR05.pngR03.png 40.374
41.854G50.pngG30.pngG01.pngG01.png 15 - 19 R50.pngR30.pngR03.pngR03.png44.717
38.934G50.pngG10.pngG05.pngG03.pngG01.png 20 - 24 R50.pngR30.pngR03.pngR03.png43.903
33.726G30.pngG10.pngG05.pngG03.pngG01.png 25 - 29 R50.pngR10.pngR05.pngR03.pngR01.png 39.454
30.417G30.pngG10.pngG05.pngG01.pngG01.png 30 - 34 R30.pngR05.pngR05.pngR05.pngR03.png 35.960
26.858G30.pngG05.pngG05.pngG01.pngG01.png 35 - 39 R30.pngR10.pngR05.pngR01.pngR01.png 31.586
22.123G30.pngG05.pngG03.pngG01.pngG01.png 40 - 44 R30.pngR05.pngR05.pngR01.pngR01.png 26.149
17.888G30.pngG05.pngG01.pngG01.pngG01.png 45 - 49 R30.pngR05.pngR01.pngR01.pngR01.png 20.959
14.033G30.pngG03.pngG01.pngG01.pngG01.png 50 - 54 R30.pngR03.pngR01.pngR01.pngR01.png 15.975
9.081G10.pngG10.pngG05.pngG05.pngG01.png 55 - 59 R30.pngR01.pngR01.pngR01.pngR01.png 12.113
6.972G10.pngG10.pngG05.pngG03.pngG01.png 60 - 64 R10.pngR10.pngR05.pngR05.pngR01.png 9.690
5.239G10.pngG10.pngG05.pngG03.pngG01.png 65 - 69 R10.pngR10.pngR05.pngR03.pngR01.png 7.493
3.634G10.pngG10.pngG05.pngG01.pngG01.png 70 - 74 R10.pngR10.pngR05.pngR03.pngR01.png 5.706
2.280G10.pngG10.pngG03.pngG01.pngG01.png 75 - 79 R10.pngR10.pngR05.pngR01.pngR01.png 3.901
1.350G10.pngG10.pngG01.pngG01.pngG01.png 80 a 84 R10.pngR10.pngR03.pngR01.pngR01.png 2.317
674G10.pngG05.pngG01.pngG01.pngG01.png 85 a 89 R10.pngR10.pngR01.pngR01.pngR01.png1.163
0G01.png 90 a 94 R10.pngR05.pngR01.pngR01.pngR01.png 598
0G01.png 95 a 99 R10.pngR03.png62


Dados do IBGE[4]

Desde a década de 1960, Maceió vem crescendo em um ritmo acelerado: na época contava com cerca de 184.644 habitantes; 24 anos depois, em 1984, o município já tinha cerca de 399.298 habitantes; em 2000, o censo demográfico do IBGE registrou cerca de 796.842 pessoas; hoje são aproximadamente 936 mil habitantes, divididos em 511 km². O município tem uma densidade demográfica de 1.832,31 hab./km².

População por bairros

Pos. Bairro População
1 Jacintinho &0000000000000077.84900077,849
2 Benedito Bentes &0000000000000067.96400067,964
3 Tabuleiro do Martins &0000000000000055.81800055,818
4 Cidade Universitária &0000000000000052.26900052,269
5 Clima Bom &0000000000000047.85800047,858
6 Jatiúca &0000000000000033.75800033,758
7 Vergel do Lago &0000000000000032.30700032,307
8 Feitosa &0000000000000025.38600025,386
9 Trapiche da Barra &0000000000000024.25700024,257
10 Ponta Grossa &0000000000000024.18600024,186
11 Poço &0000000000000020.19500020,195
12 Pinheiro &0000000000000019.66700019,667
13 Santa Lúcia &0000000000000018.84400018,844
14 Prado &0000000000000017.92500017,925
15 Farol &0000000000000017.34300017,343
16 Chã da Jaqueira &0000000000000011.46300011,463
17 Barro Duro &0000000000000016.36100016,361
18 Serraria &0000000000000016.17000016,170
19 Petrópolis &0000000000000015.76500015,765
20 Santos Dumont &0000000000000013.79200013,792
21 Gruta de Lourdes &0000000000000013.68700013,687
22 Bom Parto &0000000000000013.59900013,599
23 Chã de Bebedouro &0000000000000011.46300011,463
24 Barro Duro &0000000000000010.59700010,597
25 Levada &0000000000000010.58200010,582
26 Bebedouro &0000000000000010.52300010,523
27 Cruz das Almas &0000000000000009.2500009,250
28 Antares &0000000000000009.1930009,193
29 Ponta da Terra &0000000000000009.1320009,132
30 Santa Amélia &0000000000000008.2360008,236
31 Ipioca &0000000000000005.9440005,944
32 Rio Novo &0000000000000005.7430005,743
33 Fernão Velho &0000000000000005.6550005,655
34 Jacarecica &0000000000000005.0930005,093
35 Pitanguinha &0000000000000005.0530005,053
36 São Jorge &0000000000000004.3090004,309
37 Jaraguá &0000000000000004.2190004,219
38 Canaã &0000000000000004.1870004,187
39 Ouro Preto &0000000000000004.0660004,066
40 Jardim Petrópolis &0000000000000003.9690003,969
41 Mangabeiras &0000000000000003.9520003,952
42 Centro &0000000000000003.7100003,710
43 Pajuçara &0000000000000003.2290003,229
44 Riacho Doce &0000000000000002.9170002,917
45 Mutange &0000000000000002.5280002,528
46 Pontal da Barra &0000000000000002.3310002,331
47 Guaxuma &0000000000000002.2230002,223
48 Pescaria &0000000000000002.1110002,111
49 Garça Torta &0000000000000001.8890001,889
50 Santo Amaro &0000000000000001.8460001,846

Dados do IBGE

Cultura

Maceió tem uma cultura marcante, representada principalmente pelo seu rico folclore, além, claro, de seus artistas, escritores e músicos tal qual Djavan, Hermeto Pascoal, Graciliano Ramos, Jorge de Lima. Dentre as manifestações folclóricas há os folguedos, tais como: Caboclinho, Carvalhada, Chegança, Coco Alagoano, Festa de Reis, Guerreiro, Pastoril, Reisado, Quilombo, Zabumba, e, também, o artesanato representado pelo filé e pela cerâmica que encanta a todos por sua criatividade, originalidade e beleza.

A cidade conta com vários locais de comercialização de sua cultura e artesanato,Maceió em 2002 foi escolhida como a capital da cultura,como a Feirinha da Pajuçara, Feirinha do Mercado, este que após um incêndio em dezembro de 2005, foi transferido da Jatiúca para a Ponta Verde e agora está localizado em Jaraguá, com o nome de Artesanato dos Guerreiros ao lado do Memorial da República.

Capital Americana da Cultura

Em 2002 foi a Capital Americana da Cultura, a primeira cidade do Brasil selecionada.

Museus

Museu Palácio Floriano Peixoto

Acervo permanente: Mobiliário do final do século XIX e início do século XX; prataria, cristais e objetos decorativos; pintura de Rosalvo Ribeiro e outros artistas alagoanos. Exposição temporária: O que é cartofilia, sobre cartões postais; com o tema: "Maceió já foi assim" com diversas temáticas.

Museu Théo Brandão

Possui um grande acervo de arte popular que foi doado pelo patrono Théo Brandão. É composto por peças de vários países como: Espanha, Portugal, México, além de obras brasileiras constituem o acervo do museu. Durante período natalino, desde 2005, o Museu recebe uma iluminação especial, dentro do programa Natal de Luz, da Eletrobrás.

Museu do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas

O rico acervo é composto basicamente por: telas de pintores famosos, documentos históricos, objetos e peças pertencentes aos cultos afro-brasileiros do começo do século XX, utensílios indígenas, armas que pertenceram a Lampião, móveis em variados estilos etc. No museu também encontra-se o mais completo acervo afro-brasileiro do país.

Museu de Arte Brasileira

Acervo composto de imagens, em sua maioria, nordestinas dos séculos XVII, XVIII e XIX. Cerâmica, prataria, mobiliário, desenhos, pinturas brasileiras e estrangeiras formam o acervo do museu. Localizado em um antigo armazém, no bairro de Jaraguá.

Museu do Esporte

O acervo é formado por fotografias do futebol alagoano, brasileiro e mundial, além de revistas, jornais, camisas, taças, medalhas e outros objetos que contam a história do futebol, é possível conferir os melhores dribles, lances e gols, com os diversos vídeos que lá estão.

Museu da Imagem e do Som - MISA

Em seu acervo está parte da memória maceioense, registrado em fotos, fitas K-7 e fitas de vídeo, lá se pode encontrar dados sobre os principais acontecimentos políticos, sociais e artísticos do Estado. O prédio foi construído no século XIX, mais precisamente, em 1869. Ao seu fundo se encontra um modelo da Estátua da Liberdade, em menor escala, projetado pelo próprio Frédéric Auguste Bartholdi e feita na mesma fundição que a original. Há apenas dois modelos (não confundir com as incontáveis réplicas espalhadas por todo o mundo) da estátua: o de Maceió e aquele localizado no Jardin du Luxembourg em Paris.[carece de fontes?]

Museu de História Natural - UFAL

O Museu de História Natural é parte da Universidade Federal de Alagoas - UFAL,criado como um Órgão Suplementar de natureza técnico-cultural. O MHN vem dando apoio científico-cultural às atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cooperação Técnica, no campo das Ciências Naturais, aos estudantes, professores, pesquisadores, técnicos e à comunidade em geral.

Hoje, passou a receber alunos do ensino médio através do órgão de apoio à pesquisa do Estado. O MHN apóia as atividades científico-cultural de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cooperação Técnica, no campo das Ciências Naturais, principalmente, no Estado de Alagoas.

Religião

Há uma grande varidedade de cultos, budistas, espíritas e algumas denominações baseadas no cristianismo, Testemunhas de Jeová, Mórmons, e os Adventistas. Embora o predominio do catolicismo é dado na grande São Paulo em Maceió também é mais predominante.

Igrejas

Catedral Metropolitana

Também chamada pelo nome da padroeira de Maceió: Nossa Senhora dos Prazeres, a pedra fundamental foi lançada em 1821. O altar-mor foi fabricado em cedro, possui dois altares laterais, de São Sebastião e de São Miguel, além da bela obra do Santíssimo Sacramento.

Igreja de Nossa Sra. dos Rosários Pretos

Construída em 1836, com formas geométricas puras e paredes externas revestidas com dois tipos de azulejos. Em 1864 foi dado o ponta-pé inicial para transformar a pequena capela, num suntuoso templo.

Igreja de São Gonçalo do Amarante

Resultado de uma adaptação feita de um paiol de pólvora. Para deixar o lugar mais parecido com um templo religioso acrescentou-se alguns elementos da arquitetura religiosa, a igreja fica localizada no Planalto da Jacutinga.

Igreja de Nossa Sra. do Livramento

Essa igreja começou com o telhado coberto por palhas, depois foi sendo gradativamente melhorada. No final do século XVIII, foi transformada num pequeno templo, já em 1870, o Capuchinho Frei Cataniceta incentivou a população a colaborar na construção da igreja atual, que só foi inaugurada em 1883.

Igreja do Nosso Sr. Bom Jesus dos Martírios

Sua construção demorou algumas décadas, por isso não se pode dizer que a igreja tem na sua arquitetura o estilo barroco ou o neoclássico, ela é considerada um templo de linhas ecléticas.

Igreja de Nossa Sra. Mãe do Povo

A primeira igreja do bairro do Jaraguá, era pequena feita em taipa e coberta por telhas. Sua construção data de 1888 e no início dos anos 30 a igreja foi inaugurada.

Paroquia Nossa Senhora de Lurdes

Uma igreja situada na gruta de Lurdes próximo ao condomínio Jardim do Horto. Ela compreende outras comunidades tais como: São José (Canaã); Nossa Senhora de Fátima (Rotary); São Domingo Sávio (Ouro Preto)etc.

Paróquia de São Paulo Apóstolo Sitada no Bairro Salvador Lyra, foi criada paróquia em 25 de março de 1983 pelo então arcebispo Dom Miguel Fenelon Camara. Em 25 de março de 2008 o altar e o templo foram dedicados a Deus em honra do Apóstolo Paulo na festa dos 25 anos de criação da Paróquia, pelo Arcebispo emérito de Maceió Dom José Carlos Melo, CM. Hoje a Paróquia conta com quatro comunidades, além da igreja matriz, a Igreja de Nossa Senhora Aparecida - Dubeaux Leão, a Igreja de Nossa Senhora de Guadalupe - Cleto Marques, a Igreja de Nossa Senhora do Pérpetuo Socorro - Tabuleiro Novo e a Igreja de Nossa Senhora de Fátima - Pouso da Garça (Em construção).

Teatros

Teatro Deodoro

Tendo sua construção iniciada em 1905 e terminada em 1910, o Teatro Deodoro conta com um belo aspecto arquitetônico, possui estilo neoclássico com reflexos do barroco, em cada um dos lados da fachada principal do teatro, encontram-se as seguintes frases em latim:

  • "Castigat ridendo moraes" ("É rindo que se castigam os costumes");
  • "Ars longa, vita brevis" ("A arte supera a vida").

Teatro Gustavo Leite

Localizado no interior do Centro Cultural e de Exposições de Maceió, o Teatro Gustavo Leite é o maior de Maceió e possui capacidade para 1.251 pessoas sentadas.

  • Teatro de Arena - Centro
  • Teatro do SESC (Jofre Soares)
  • Teatro de Bolso Lima Filho
  • Teatro do Colégio Marista - Farol
  • Teatro do Cefet - Poço

Bibliotecas

Em péssimas condições de estrutura e funcionamento, as bibliotecas públicas são um dos poucos meios de pesquisas bibliográficas em Alagoas. Abaixo estão listadas algumas.

  • Biblioteca Pública Estadual de Alagoas
  • Universidade Federal de Alagoas - Biblioteca Central - Campus A. C. Simões - Tabuleiro do Martins
  • Biblioteca Pública e Arquivo Público Estadual - Sobrado do Barão de Jaraguá.

Filhos ilustres

Floriano Peixoto 2º presidente alagoano.
Djavan
Zagallo
  • Mal. Floriano Peixoto, ex-presidente da República
  • Cacá Diegues, cineasta
  • Pontes de Miranda, jurista
  • Nise da Silveira, psiquiatra
  • Djavan, músico
  • Sadi Cabral, ator
  • Guimarães Passos, poeta
  • Lêdo Ivo, poeta, escritor e jornalista
  • Zagallo, ex-jogador e treinador de futebol
  • Pierre Chalita,pintor, escultor, desenhista, professor
  • Virgílio Maurício,pintor, médico, jornalista, crítico de arte e escritor
  • Plinio Affonso de Farias Mello, patrono dos Representantes Comerciais, advogado e jornalista
  • Aurélio Buarque de Holanda, dicionarista


Quem nasce em Maceió é maceioense


Fonte: Wikipedia

Produtos em Maceió





Alimentos em Geral Defensivos Agrícolas Implementos Mudas/Ramas Serviços
Alimentos para Nutrição Animal Diversos Instalações Rurais Peças/Aditivos/Acessórios Shopping MF Rural
Animais Embalagens Máquinas Pesadas Pneus Tratores Agrícolas
Caminhões Exportação/Importação Máquinas/Equipamentos Procuro/Compro/Troco Utensílios Agropecuários
Carrocerias/Furgões Fazendas/Imóveis Rurais Medicamentos Sementes Veículos
Colheitadeiras/Colhedoras Fertilizantes Agrícolas
Os anúncios que estão em nosso site são de vendedores cadastrados.br />
Efetue uma busca no site para verificar se existe algum produto ou serviço que deseja.

Para entrar em contato com eles basta clicar no anúncio e em seguida em "Fale com o Vendedor".

Caso tenha alguma dúvida sobre o funcionamento do site entre em contato conosco.

Continuar    Cancelar