Publicidade

 Animais por estado


Você está vendo Animais em Itaguara

Veja Também:
Notícias Agrícolas

Foram encontrados 3 anúncios de Animais na cidade de Itaguara em Minas Gerais.

Clique no menu ao lado para consultar Animais em outra região.
Minas Gerais
X
Itaguara
X

ovos galados de gigante negro de jersey, gigante azul de jersey e gigante splesh de jersey

ovos galados de gigante negro de jersey, gigante azul de jersey e gigante splesh de jersey

Gigante negro de jersey,gigante azul de jersey e gigante splesh de jersey hoje a principal raça para melhoramento genético no mundo, aves puras com uma produção anual de 250 a 280 ...

Preço: R$ 8,00

Itaguara/MG

Galinhas brahmas gigantes

Galinhas brahmas gigantes

A raça brahma é de origem asiática, é uma ave de grande porte, com uma postura de 220 a 280 por ano. galinhas de 3 a 6 quilos e galos de 4 a 8 quilos. A raça é muito dócil. pode se...

Preço: R$ 6,00

Itaguara/MG

Vaca girolanda com bezerra

Vaca girolanda com bezerra

Vaca girolanda com bezerra

Preço: R$ 3.200,00

Itaguara/MG
Anterior
Página 1 de 1
Proxima

Relação de preços de anúncios de vendedores de Animais em Itaguara/MG

Detalhes sobre a cidade de Itaguara

Nossa Senhora das Dores de Conquista - Conquista – foi o primeiro nome de Itaguara. O nome Conquista, era devido o fato de Manoel Texeira Sobreira, um dos povoadores da região, ter conquistado as terras em ação judicial muito difícil, demorada e trabalhosa, com atesta o historiador itaunense Guaracy de Castro Nogueira. O nome Itaguara foi alterado em 1923; de acordo com o dicionário de Tupi-Guarani, o vocábulo "ita" significa pedra e "guará" significa aguará, aguaraçu, mamífero (lobo) dos cerrados e pampas (açu).

Os primeiros habitantes da região de Itaguara foram os índios cataguases, que eram os donos da terra até meados do século XVII. Com o fim das brigas entre as famílias Pires e Camargos, os paulistas voltaram suas atenções para as incursões sertanejas, sendo que a década de 1660 a 1670 foi a mais promissora para o movimento que ficou conhecido como Bandeirismo.

Em 27 de setembro de 1664 chegou a São Paulo uma carta de D. Affonso VI, que incitava os paulistas a descobrirem novas terras, como cita Alfredo Elis Júnior, na obra “ O Bandeirismo Paulista e o recuo do meridiano”.Lourenço Castanho Taques, Juiz de Orphans em São Paulo, destacou-se por realizar a mais importante Entrada pelos sertões de Minas Gerais, quando em 1669, promoveu o abate dos ferozes cataguases, que já não existiam nas áreas litorâneas, deixando o caminho livre para a descoberta do ouro e outras preciosidades em Minas Gerais. Constam em documentos lavrados na Vara de Orphans que pertenceu a Lourenço Castanho Taques, o velho, esteve ausente de São Paulo entre 15 de maio de 1668 a 20 de julho de 1670, deixando a Vara de Orphans para seu filho de mesmo nome, Lourenço Castanho Taques, o moço. O livro “Nobiliarchia” exalta fatos da incursão de Fernão Dias pelos sertões de Minas Gerais, quatro anos antes de Lourenço Castanho Taques, o velho, porém quando Fernão Dias saiu de São Paulo, Lourenço Castanho Taques, o velho, já havia falecido a quatro anos.

Estas confusões podem ser explicadas pelo fato dos nomes serem semelhantes e a maioria de pesquisadores copiaram as informações de Pedro Taques, que era neto de Lourenço Castanho Taques, o moço, que saiu também em expedição em 1676, levando o seu irmão José de Lara, que preferiram fixar suas Entradas pelo Vale do Parnaíba.

Na passagem de Lourenço Castanho Taques, o velho, por Minas Gerais foi iniciado o massacre contra as tribos indígenas que habitavam a região e segundo o historiador Diogo de Vasconcelos, na região de Itaguara aconteceu o massacre contra os índios cataguases, surgindo aí um dos primeiros arraiais de Minas Gerais, o Arraial de Conquista, que ficava às margens do Ribeirão Conquista, que era conhecido até 1755 como Ribeirão São Fellipe.

O nome Conquista, dado ao Arraial não foi devido ao massacre dos índios cataguases, mas pelo fato das terras da região terem sido conseguidas através de difícil ação judicial por Manoel Texeira Sobreira, que foi um dos primeiros povoadores da região. A povoação de Itaguara e adjacências, aconteceu, graças à pecuária que se desenvolveu as margens do Rio Pará, pois a região aurífera encontrava-se em declínio, os donos de lavras necessitavam de outras atividades que pudessem empregar a mão-de-obra escrava e devido aos elevados preços que eram praticados em Ouro Preto, a busca expansionista e outras atividades econômicas eram fundamentais para a sobrevivência dos senhores de escravos acostumados com a opulência do ouro.

Em 1703, quatro irmãos vindos de Guimarães, província de Portugal, chegaram com o objetivo de colonizar a região, o Guarda-mor João da Costa Guimarães, o Tenente Antônio da Costa Pereira, José da Costa Ribeiro e o Padre Domingos da Costa Ribeiro que de posse de Carta Régia vieram residir em terras que ainda não tinham donos, por isso consideradas devolutas. Os irmãos foram responsáveis pela colonização de municípios de Itaguara, Carmópolis de Minas e Cláudio. A iniciativa de construir a primeira capela do arraial da Conquista foi do Sr. José Rodrigues Marins, que conseguiu a provisão em 12 de janeiro de 1796.

Mais detalhes sobre Itaguara

Consulte abaixo as categorias de produtos agrícolas divididas por estado