Publicidade

 Defensivos Agrícolas por estado

 Defensivos Agrícolas por cidade

Defensivos Agrícolas

Você está vendo Defensivos Agrícolas em Coqueiral

Veja Também:
Notícias Agrícolas

Foram encontrados 0 anúncios de Defensivos Agrícolas na cidade de Coqueiral em Minas Gerais.

Clique no menu ao lado para consultar Defensivos Agrícolas em outra região.
Minas Gerais
X
Coqueiral
X
Anterior
Página 1 de 0
Proxima

Relação de preços de anúncios de vendedores de Defensivos Agrícolas em Coqueiral/MG

Detalhes sobre a cidade de Coqueiral

Seguindo a vocação caminheira e ousada de seus ancestrais, de Taubaté, em São Paulo, partiu bem escudado Matias da Silva Borges. Um forte descendente de bandeirantes piratininganos, em cujas veias corria o sangue fervente de violador de sertões e plantador de cidades. Por volta de 1767, esses sertanistas garimpeiros chegaram a essa terra, lugar exato onde hoje está construída a Igreja Matriz do Divino Espírito Santo, e, em plena floresta multi-secular, fizeram seu primeiro acampamento. Foi com uma prece à sombra da cruz abençoadora do alvorecer do Brasil, que os descobridores renderam ao alto suas graças. Nos dias seguintes à chegada, deixando ainda acesso o lume, a caravana de homens de espadagão à cinta, chapéu de abas largas, tomou o rumo do Morro do Chapéu, na esperança de ouro localizar. A preciosidade não foi encontrada, mas Matias Borges no local decidiu ficar, fundando assim o povoado do Espírito Santo dos Sertões. Não achou as suspiradas gemas e muito menos as sonhadas esmeraldas cor da esperança, mas como os seus antepassados, que plantavam em cada cruz que levantaram a semente de tantas cidades do Brasil, semeou nas terras o embrião do que hoje é o município de Coqueiral.

Primeiros povos

Logo após a fundação, Matias Borges promoveu a vinda de sua esposa, Mariana Joaquina do Sacramento, que veio acompanhada de parentes e outros companheiros, com os quais pouco tempo depois foi rezado o primeiro culto. Feita a profissão de viva crença em um Deus, que não era um simples Tupan, o fundador e seus companheiros iniciaram as suas atividades agrícolas, tratando, sobretudo da lavoura de cana de açúcar. Havia ainda a carência de mão de obra para a lavoura e de gente para povoar o recém-fundado povoado, Matias então providenciou a vinda de novos companheiros, que por sua vez atraíram outros. Espalhada a notícia, pouco tempo depois, de São João Del Rei aportou nas terras, o Capitão João Manoel de Siqueira Lima e seus amigos. De acordo com os registros, o casal Matias Borges e Mariana Joaquina, teve apenas dois filhos; João e José Matias Borges, que venderam suas heranças. Ao que se sabe os filhos do fundador não deixaram filhos; sabe-se apenas, pelo relato de pessoas que residiam no local, que mortos, no velho cemitério aldeão, foram sepultados.

Cruzeiros

Em 1873, no povoado chegaram os Missionários Capuchinhos; vieram pregar as missões, prosseguir com as obras de construção da Igreja do Rosário e erguer o atual cruzeiro da Praça Sete de Setembro. Já o antigo cruzeiro hoje existente na Praça Santos Dumont foi festivamente erigido em 1904, que então mandou abrir a atual rua Tiradentes. Reza a lenda, que em documento contido em uma garrafa enterrada ao pé do cruzeiro conta os nomes dos patronos.

Distrito de Paz

O povoado do Espírito Santo dos Coqueiros pouco a pouco, ia se desenvolvendo, mesmo às margens da floresta. Em 1846, já no Governo de Ricardo Sá Rego, foi criado o distrito de Paz de Espírito Santo dos Coqueiros. Consta que a boa nova foi acolhida alegria e incontido regozijo cívico. Os discursos deram em uma tribuna improvisada à sombra de uma árvore centenária.

Terra dos coqueiros

O primeiro nome dado à terra fundada pelo sertanista Matias Borges foi de Espírito Santo; hoje padroeiro da Igreja Matriz de Coqueiral; em 1792, há registros que o povoado também fora chamado de Espírito Santo dos Sertões, do Sapê e da Trombuca, conforme testifica a certidão de um batizado aqui feito por Pe. João Pereira de Carvalho. O nome Espírito Santo dos Coqueiros, originário, indiscutivelmente, da abundância de palmeiras encontradas nas densas matas locais, das quais ainda existem alguns exemplares, perdurou até 1923. Nesse ano, o distrito criado em 1846, por força da Lei volta a pertencer a Dores da Boa Esperança, município hoje de Boa Esperança, e passa a se chamar somente Coqueiral.

Mais detalhes sobre Coqueiral

Consulte abaixo as categorias de produtos agrícolas divididas por estado