Publicidade

 Diversos por estado


Diversos na cidade de Lagoa da Prata em Minas Gerais

Foram encontrados 3 anúncios de Diversos na cidade de Lagoa da Prata em Minas Gerais.

Clique no menu ao lado para consultar Diversos em outra região.
Minas Gerais
X
Lagoa da Prata
X

Sucata Auto Cromo 26%

Vendo Sucata Auto Cromo 26%Disponível para retirada 100 TN por mês, com contrato.Valor : R$ 3.400,00 TNFrete : FOBDisponível análise química do mesmoSucata Auto Cromo 26%. Sucata A...

Preço: R$ 3.400,00

Lagoa da Prata/MG

VENDE-SE BORRACHA NÃO VULCANIZADA PARA INDUSTRIAS DE BORRACHA EM GERAL

Somos fornecedores de borrachas provenientes de Pneu Verde direto de Companhias Pneumáticas.Pneu Verde é o pneu que não foi vulcanizado, então 100% do nosso produto é não vulcaniza...

Preço: R$ 7,50

Lagoa da Prata/MG

Cavaco de Eucalipto

Venda de cavaco do eucalipto com as seguintes características; - Granulometria entre 5 mm a 20mm / 30mm a 50mm  - Densidade de 230 a 295 kg / m³ - Índice de umidade 25 à 35% - Ida...

Preço: R$ 48,00

Lagoa da Prata/MG
Anterior
Página 1 de 1
Proxima

Relação de preços de anúncios de vendedores de Diversos em Lagoa da Prata/MG

Detalhes sobre a cidade de Lagoa da Prata

Por volta de 1789, ao desmembrar-se de Tiradentes, foi criado o município de Itapecerica constituído de 34 distritos (ou divisões) chamados ordenanças do reino. Dentre eles, havia uma parte chamada de Pântano, a 12a localizada. Outra era o município de Santo Antônio do Monte.

A decadência das minas na Província ocasionaram certa evasão de mineradoras à busca do ouro descoberto no outro lado do Rio São Francisco em Goiás Velho e Paracatu. Essa afluência ocasionou o deslocamento de pessoas nas margens são-franciscanas, inclusive buscando a Picada de Goiás – próxima do reduto – e o Pântano começou a ser povoado.

Na segunda década do século XIX, um português chamado Manuel Novato, ao adquirir certa área rural, perto do lugarejo, construiu um aterro a frente de um brejo, onde uma lagoa foi formada. Eram buscados recursos hidráulicos para atenderem artifícios utilitários.

No ano de 1841, os irmãos Francisco e Alexandre, filhos de Fortunato José Bernardes – vindos de Carmo da Mata (junto a dois outros irmãos: Carlos e Amâncio) – assumem o controle da passagem sobre o Rio São Francisco. Pouco depois, um filho do Francisco, de nome Carlos José (que havia se casado na cidade de Oliveira e se tornara viúvo), casa-se com Alexandrina, sua prima, filha do Alexandre, quando edifica um sobrado, próximo à lagoa e passa a morar no palacete que mais tarde tomou o nome de “Museu Dona Alexandrina”. Era 1875.

Após ter-se tornado num homem riquíssimo, e até motivando o título de “coronel”, Carlos José Bernardes Sobrinho e dois cunhados: Alexandre e Rodolfo, além de Cirilo Maciel, traçaram certa área urbana, mandando edificar uma capela no centro. Era o Pântano em organização e a chegada do fim do século XIX..

Subitamente morre o Coronel Carlos Bernardes no dia 2 de Janeiro de 1900. Chamado a celebrar a 1a missa na capela ainda em construção, o Monsenhor Otaviano José de Araújo, vigário de Santo Antônio do Monte dá a capela o nome de São Carlos e, numa homenagem ao grande líder desaparecido, conclama o povo a alteração do nome do lugar que passa a chamar-se São Carlos do Pântano.

Em fevereiro de 1916, ao criar-se a via ferroviária da região, foi dado a estação daqui o nome da lagoa. E em fevereiro de 1925 o povoado é elevado á categoria de Distrito quando recebe o nome da estação, noutra mudança à toponímia: Lagoa da Prata.

Com a criação do Bispado de Aterrado, em 1923, no mês de Julho de 1932 o Bispo Diocesano Dom Manoel Nunes Coelho criou a Paróquia de Lagoa da Prata que passa ter São Carlos Borromeu por orago ou protetor.

O Distrito cresce e se desenvolve rápido, justificando-se a sua elevação à categoria de Município. Essa emancipação sonhada e pleiteada acontece no dia 27 de Dezembro, de 1938, quando se desliga, administrativamente, de Santo Antônio do Monte, de que se originara.

Mas é em 11 de Agosto de 1977 que consegue elevar-se à categoria de Comarca que se constitui através dos municípios de Lagoa da Prata e Japaraíba.

O padroeiro da cidade é São Carlos Borromeu.


Origem do nome

Por volta de 1862, quatro Missionários Franciscanos, liderados por D. Eugênio Maria de Gênova, passando por ali para suas pregações religiosas, viram a beleza da lagoa sem nome e encantados com o panorama, deram-lhe o nome de Lagoa das Pratas, conforme a história registra. Esse nome foi sofrendo alterações na pronuncia até formalizar-se o nome atual: Lagoa da Prata.


Geografia

O município de Lagoa da Prata está situado a 658 metros de altitude e apresenta como clima predominante o Tropical de Altitude. A temperatura média anual é de 21,8°C, sendo que no verão pode passar da casa dos 30°C e no inverno ir próximo a 0°C.

A cidade está situada em uma das regiões de Minas Gerais que registra os maiores índices pluviométricos e possui duas estações do ano bem definidas: um verão chuvoso e quente entre os meses de outubro e março, e um inverno frio e seco entre maio e setembro. A precipitação média anual é de 1512mm.

Mais detalhes sobre Lagoa da Prata

Consulte abaixo as categorias de produtos agrícolas divididas por estado