Publicidade

 Diversos por estado

 Diversos por cidade

Você está vendo Diversos em Canitar

Veja Também:
Notícias Agrícolas

Foram encontrados 0 anúncios de Diversos na cidade de Canitar em São Paulo.

Clique no menu ao lado para consultar Diversos em outra região.
São Paulo
X
Canitar
X
Anterior
Página 1 de 0
Proxima

Relação de preços de anúncios de vendedores de Diversos em Canitar/SP

Detalhes sobre a cidade de Canitar

A historia de Canitar está intimamente ligada à de Chavantes, a quem pertenceu como distrito desde o desmembramento de Chavantes de Santa Cruz do Rio Pardo, da qual foi esta distrito até 1922. Chavantes foi fundada em 1887 e Canitar se tornou município independente de Chavantes em 1991. Irapé, mais ao sul, e com fronteira com o Estado do Parana', é o distrito do qual surgiu Chavantes e consequentemente Canitar. E' maior que Canitar e provavelmente mais populoso também, mas por ser Canitar mais a SO da sede do município de Chavantes, e mais próxima de Ourinhos, a sede da comarca e mesorregião, talvez tenha aspirado sua independência, principalmente por ser grande produtora de cana-de-açúcar e estar mais próxima da Usina São Luis de Ourinhos, bem como de mais facilidades para o escoamento de seu principal produto através de estradas de rodagem e ferrovias, pelas quais Ourinhos é conhecida.[carece de fontes?]

Canitar foi fundada por causa da construção da estação de trem em 1910. Na mesma época foram construídas as estações de Santa Cruz do Rio Pardo e de Sodrelia. No local havia indígenas, Xavantes, que de um dia para o outro viram que chegavam pessoas para a construção. Mesmo com a área tendo fazendas e muita gente trabalhando eles se sentiam seguros no espaço que estavam. Quando da passagem da primeira maquina, tentaram parar com cordas feitas de cipó, amarrados ao corpo. Como foram arrastados e muitos mortos, resolveram ir-se. Foram em direção norte e o que não conseguiram levar, quebraram como foram encontradas provas, cântaros, panelas quebradas na beira do Rio Pardo, por exemplo no sitio de Joaquim Luiz. Quando foi anunciada a construção de Canitar, nas terras de Joaquim Bernardo de Mendonça, ele resolveu lotear a terra envolta, para formar uma cidade. A primeira casa foi construída por Joaquim Venâncio, Marciliano Venâncio, empregados de Joaquim B. Mendonça; por José Rita Graciano, morador do Poção; João Costa, que se casou com a cunhada do primeiro telegrafista. Esta casa foi de Antônio Sota, casado com Mariana, irmã mais velha de Zeca Teodoro, filha de Joaquim José. Depois vieram os povoadores: turcos, Miguel Habib, Miguel Farah (morto em frente ao armazém da estação), Azizo, Jorge Maluf; o português, Manoel Fernandes Cabete; Evaristo Saraiva (onde é o Nicola Gimenez), Gabriel Ligeiro, Domingos Torres (casa onde foi a antiga escola). A primeira casa era pequena e de pau a pique e Mariana pediu a seu marido para construir uma maior na esquina, que depois foi comprada por Joaquim B. Mendonça, para dar de presente a sua irmã Maria Bernardo, viúva, que ai se suicidou. Era mãe de Joaquim Martins, casado com Frauzina, este pai de Francisco Martins, casado com Enedina Inácio, filha de Ana e Zeferino Inácio, hoje nome da praça de Canitar. Esta casa depois foi alugada para Luis Vara, pai de Pedro Vara e em seguida vendida por Joaquim Martins, para Luiz Gimenez, cuja família ainda mantém o terreno. A segunda casa foi a de Gabriel Ligeiro, onde junto construiu uma pequena lojinha, a primeira de Canitar. Ele saiu com um burrico vendendo e trocando mercadorias com os sitiantes e pessoas que viviam no campo. E sua esposa fazia pão e comida para vender quando o trem parava em Canitar. Na época da fundação os sitiantes conhecidos eram Joaquim Jose, Joaquim Pedro, Beloto, Espírito Santo. Os fazendeiros dessa época eram: Joaquim Bernardo de Mendonça; Alberto Cintra - Fazenda S.Bento e Santa Lucia; Joaquim Cintra (Quinzinho) – Fazenda Bicudo; Antonio Leite (Tunico) – Fazenda Lageadinho (casado com a irmã dos Cintra, Lucia, por isso foi dado o nome a fazenda S. Lucia, que era filha de Leo Barbosa, dono da Santa Otalia); Joaquim Luiz – Fazenda Barreirinho, onde é a Ponte Preta; José Ventura e SinhAna Ventura – Fazenda Poção. Os fazendeiros de Chavantes por volta de 1910 eram Osório Bueno e Azarias Bueno, pai de Benedito, Olegário Bueno e Morena, mulher de Manoel Marques; Julio Silva. Em Irapé, fazendeiros Major Cobra e Onça, viram crescer a cidadezinha, que estava na divisa do estado e servia de segurança, para possíveis invasões vindas do sul. Como Chavantes, que nasceu de Irape, cresceu mais, Irapé e depois Canitar ficaram sendo seus distritos.

Mais detalhes sobre Canitar

Consulte abaixo as categorias de produtos agrícolas divididas por estado